O trabalho do restaurador

Devido à complexidade do campo do restauro, profissionais dessa área geralmente são especializados em apenas um, ou poucos materiais. É um trabalho que exige formação acadêmica, tempo de prática, ética, bom senso e principalmente, sensibilidade. Ocasionalmente, os danos aos trabalhos de arte são exacerbados por pessoas não capacitadas que tentam restaurar os objetos.

Obras de arte possuem um valor histórico-cultural que vão além de sua estética. Um restaurador ético jamais permitirá que uma obra de séculos atrás pareça realizada recentemente e deixá-la “nova em Obras de arte possuem um valor histórico-cultural que vão além de sua estética. Um restaurador ético jamais causará um falso histórico, ou seja, permitirá que uma obra que foi produzida em uma determinada época, depois de restaurada passe a ser percebida como recente ou contemporânea. O papel do conservador-restaurador não é o de intervir na idade de uma obra e sim de tentar mitigar os efeitos ruins que o tempo ocasiona.

Esse limiar entre uma obra com sua idade aparente e uma obra que de fato apresenta problemas de craquelês, sujeiras e rasgos, exige um profissional experiente que possua um olhar aguçado e competente. Devido à complexidade do campo do restauro, profissionais dessa área geralmente são especializados em apenas um, ou poucos materiais. É um trabalho que exige formação acadêmica, tempo de prática, ética, bom senso e principalmente, sensibilidade.

É preciso cuidado e habilidade para identificar os problemas e suas causas, e reconhecer a melhor maneira de tratá-los. Para mais informações, veja nosso guia “Como escolher um restaurador”, “Perguntas frequentes sobre restauração” e o “Código de ética do Restaurador”.